Posts Tagged ‘milho’

h1

CEVICHE

novembro 5, 2009

800px-Cebiche-don-lucho

Num domingo desses, na casa dos meus pais, em piedade, eu e minha mãe fizemos um ceviche, usando uma receita que ela obteve ou pesquisou, não sei bem, num dos tantos livros ou cursos de gastronomia que lê e faz, como, aliás, o de agora, em SP, onde concluiu animadíssima, apesar do calorão, o curso Mesa Tendências/Semana Da Mesa  http://prazeresdamesa.uol.com.br/exibirMateria/2199/veja-como-foi-o-semana-mesa-sp

Pois bem, a receita original é assim:

Ingredientes: 

8 pessoas como entrada,

6 pessoas com prato principal,

 1kg de file de linguado, em cubos de 2 cm (uso camurim)

Suco de 8 limões (o necessário para cobrir o peixe)

1pimenta dedo de moca sem sementes, em rodelinhas

2 dentes de alho picados

500g de cebolas em rodelas

3c. s. de salsão picado

1 ramo bem pequeno de coentro

3 espigas de milho cozidos em rodelas de 1 cm

Sal

Tomate em rodelas para decorar

Batata doce em rodelas pré-cozidas para decorar

Limão em rodelas para decorar

 

 Pra fazer: Tempere os files com sal, passe para uma tigela e cubra com o suco de limão. Junte a pimenta e o alho. Misture tudo cuidadosamente. Cubra com a cebola, salsão e coentro. Acrescente as rodelas de milho e deixe curtir por 1 hora, ate que o peixe fique branco. Sirva em pratos decorados com rodelas de tomate, a batata e limão.

Nós usamos cebola roxa, colocamos mais batata do que tomate e limão, e ficou DELÍCIA! Amei, almocei e jantei cecviche naquele domingo! No final de semana anterior, minha mãe havia feito a mesma receita, na casa da minha tia, e usou tilápia ao invés de linguado, todo mundo também gostou bastante.

Beijos

Sandra

PS.  Ceviche ou Cebiche???

Discussão sobre a etimologia do nome

Aparentemente, nem os próprios “donos” do prato sabem exactamente como se deve escrever, isto porque em espanhol o “b” e o “v” tem o mesmo som (informalmente, o espanhol culto, os sons dessas letras são iguais aos do portugués) e eles referem-se a esta letras como “b-larga” e “v-curta”. Já numa coisa, eles estão de acordo: a primeira letra “não pode” ser o “z” (que eles chamam zeta, mas que na maioria das variações do espanhol fora da Espanha, é pronunciado seta).

Mas há uma teoria interessante: embora a conservação do pescado com líquidos (como a salmoura, por exemplo) seja um conhecimento provavelmente pre-histórico, os citrinos foram introduzidos na Europa pelos árabes e daí foram levados para as colónias onde, aparentemente, lhes foram dados outros usos. No entanto, a teoria continua com uma variante do escabeche, que supostamente provém da palavra árabe “iskbꪔ (em vez da vizinha “sikb⪔, que é traduzida como “guisado de carne com vinagre e outros ingredientes”) ao qual os espanhóis começaram a adicionar bastante cebola, para o tornar menos ácido. Então, o “escabeche de cebola” teria-se tornado Cebiche.

Outra versão, mais “clássica”, seria do latim “cebo” que significava “comida abundante”.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Cebiche

PS2. Na última vez que fiz, debulhei o milho já cozido (que, infelizmene, não era dos mais verdinhos) e coloquei só os grãos, o que facilita pra comer.

h1

muito amor e cuscuz

agosto 23, 2007

bodega.jpg

Ele.

Porque o amor tem um gostinho árabe e é simples e baratinho:
1 pacotinho de fubá de milho. cuscuz. Eu recomendo milharina. 1 cebola, 2 tomates, 1 pimentão vermelho e 1 amarelo, 1 bom maço de agrião. Alho, coentro e cebolinha. Eu escolho como se fosse ter que comer ali, na hora. Vai precisar também de louro, sal, de preferência grosso, páprica picante , manteiga e azeite- não economize nisso.Músculo de boi. 1 bandejinha daquelas do supermercado, já limpo e cortado.

Abra uma cachaça. A cachaça é fundamental. Costumo tomar as mineiras, de salinas preferencialmente. 1 só copinho. O amor divide.

Na panela de pressão: a manteiga, o azeite, o louro, a cebola cortada em pedaços grandes e o alho. Deixa dourar e põe o músculo, a páprica e o sal. Refogue um pouco, jogue cachaça e deixe reduzir. Sobre tudo arrume o tomate cortado grosseiramente, o cheiro verde picado do mesmo modo e o maço de agrião. Feche a panela. Vai cozinhar em fogo baixo coisa de 1 hora.

Até aqui a tia do boteco ensina, agora que é a mágica. Já fez cuscuz? O segredo é acertar na mosca uma alternância entre molhar o cuscuz na medida certa, descansar o cuscuz, entre uma molhada e outra, o tempo certo, e dar o número certo de molhadas.

Simplesmente: jogue mais ou menos 1 xícara do fubá num recipiente bem côncavo e acrescente umas duas ou três pitadas de sal. Vá molhando aos pouquinhos e misturando com os dedos delicadamente. Não deixe encharcar. Eu abro a torneira bem pouquinho e vou misturando debaixo dela até sentir que o cuscuz está todo molhado mas ainda não virou pasta. Deixe descansar um pouco, sei lá uns quinze minutos, ele vai ficar mais fofo e maior. Solte com os dedos e repita a operação. Cuscuz exige delicadeza.

Ponha na cuscuzeira o mais soltinho que puder e cozinhe em fogo brando até que o cheiro invada todo o lar. Quem não tem cuscuzeira põe o cuscuz num prato fundo, cobre com um pano de prato grande, vira de cabeça pra baixo e amarra. Acha uma panela em que isso encaixe feito uma tampa. Cuscuz pra baixo. Põe um pouco de água na panela e fogo baixo até que o cheiro etc…

Já viu olhinho brilhar?

Vai pra mesa o músculo sobre o cuscuz. Mas isso logo perde a importância como no amor.

Ela.

m.