Posts Tagged ‘Carnes’

h1

Filé ao Vinho Tinto

janeiro 6, 2009

bolo

 

Ontem, na comemoração do aniversário de Sandra, preparamos várias comidinhas para receber os amigos que sempre aparecem aqui em casa.

Compramos pães de vários tipos: italiano, ciabatta, português e briochinho para servir de base para quase tudo que preparamos. Além dos pães, a mesa tava composta por: sardela, pasta de alho e frango, queijos, carpaccio de salmão e filé ao vinho.

A preparação do filé começou no domingo à noite, quando compramos uma peça grande de carne e deixamos na geladeira. Na segunda de manhã, limpamos a carne e reservamos as aparas. Temperamos a carne  e as aparas com pimenta do reino, alho, oito cebolas roxas fatiadas e meia garrafa de vinho tinto.

Deixamos a carne da geladeira até 20 minutos antes da hora de assar. Neste momento colocamos um pouco de sal em todos os lados da carne. Usamos sal moído na hora.

Esquentamos uma assadeira até deixar bem quente e colocamos a carne para selar.

Depois de selar todos os lados, deixamos a carne no fogo por mais ou menos 15 minutos, deixando ela mal passada, tostadinha do lado de fora e sangrando por dentro. O importante é assar até o ponto de sua preferência,  sempre virando a carne para assar de todos os lados.

Com a carne já pronta, começamos a preparar o molho, utilizando a mesma assadeira da carne, cujo fundo já estava meio queimado. Colocamos as aparas da carne para tostar com um pouco de azeite, deixando a panela com o gosto da carne. Depois de tostar as aparas, retirei da travessa e coloquei as cebolas fatiadas para dourar, adicionando uns dez grãos de pimenta da jamaica.

Acrescentamos o caldo para cozinhar, adicionando mais um pouco de vinho.

Batemos o molho no liquidificador e estava tudo pronto.

Servimos o filé junto com alho provance ou provence (não sei escrever), que são cabeças de alho assadas. O filé ficou servido na mesa a noite inteira, até ser devorado por todos nós, e de vez em quando, serviamos o molho bem quente numa molheira.

Fez bastante sucesso.

Beijos e abraços,

Bolo

h1

Churrasco do domingo de São João

junho 26, 2008

Fiz essa aí no último domingo. Tô de Regime e tava afim de assar umas costelinhas de bode na churrasqueira só pra me distrair e manter a ordem na dieta. Ia tomar umas doses de visqui e isso seria minha trela maior do São João. Pois bem, a ordem da dieta foisse. Daí tive q improvisar…

Bom, de prima, seria mais um churras pra família somente com umas doses homeopáticas de álcool que ninguém é de ferro, mas derrepente a casa se viu cheia de bons amigos dispostos a tomar umas e jogar conversa fora em baixo das árvre…

Daí q aparece Rafa com uma peça de Cupim pra assar. “Putzgrila, meu velho, nunca fiz cupim na grelha, somente de forno e na pressão (fica show!!)!!!”, como de costume Ricardo, q sabe de tudo, já me disse como era pra fazer. “Ok, sim senhor, seu Ricardo”.

Então, botei a mão na massa. Primeiro, o fogo tava bom e rendendo, a grelha lá fica um pouco meio alta, mas já tamo organizando o setor, colocando uma areinha pra subir mais esse fogo. Depois fiz aquela cuinha na mão pra receber apenas essa dose de sal grosso pra salgar a peça (não precisa mais q isso), esfreguei e ainda bati pro excesso do sal cair. Coloquei na grelha, primeiro com a intenção de selar toda ela e depois é só dar tempo ao tempo. Foi um tal de costela de cabrito, costeleta de porco, coxinha da asa da galinha e espetinho de coração. Ainda rolou um ensopado de polvo q Seu Ricardo fez q tava o pipoco!

As costelas de cabrito foram temperadas com páprica picante e suco de laranja, ficaram boas de mais. As costeletas de porco vieram temperadas da casa de Guga, agente botou na grelha e depois de um bom tempo assando Guga mandava uma boa quantidade de mel por cima dos dois lados antes de tirar do fogo (bagúio chique e saboroso) e as coxinhas foram com sal ao ponto…

Mais tarde (bem mais tarde, acho q umas 3 horinhas) o Cupim tava assim feito o da foto, eu ainda dei umas furadas cada vez q virava ele, depois foi só fatiar grosseiramente (largura de um dedo) e a rapasiada pirou. Tava muito bom e como ele é muito gordo, fica bastante suculento apesar do tempo na grelha. E parece q o sal q tava fora entranha na carne. Ela tava toda temperada.

Bom, se a dieta funcionar mesmo, da próxima vez vou me jogar sem muito peso na consciencia. Porenquanto tô aí na empeleitada e tentando aliviar a fome com essas histórias…

Abração, Berna

PS: num sei se eu tava bebo, mas a carne tava MUITO mais bonita q essa da foto…

PS2: Ricardo tem q postar esse polvo aqui, ficou muito bom!

h1

É uma receita meio tailandesa, acho, sei lá?!?…

outubro 27, 2007

Essa Marcus vai gostar, se já não conhece…

-uma peça de filé de boi, daquelas já limpa e no formato de fazer os medalhões

-muito azeite

-muito shoyu

-um pouco de sal grosso

-ervas secas q tiver em casa, das mais cheirosas e saborosas, doces ou cítricas (Hortelã, tomilho, alecrim, sálvia,  oregano…), pode ter um pouco de noz moscada e pimenta do reino a gosto

-verduras e legumes a gosto pra cozinhar bem coloridas(a última vez usei pimentões vermelhos e amarelos, cenoura, cebola rocha, cebolinho e uma pimenta dedo de moça

-vinho branco levemente adocicado ou então aquela mistura pro arroz de sushi com sal, açucar e vinagre de arroz, dando uma enfaze pro açucar

-acho q é só isso…

Ates de tudo, é o seguinte, vc entra na cozinha pra fazer esse rango e só sai com ele pronto sem precisar esperar tempos de cozimento e coisa e tal é tudo um no tempo do outro…

Bom, vamo lá,  primeiro vc coloca as ervas todas num pilão ou recipiente q dê pra dar uma batida ou amassar, amassa pra soltar o sabor e perfume, pode acrescentar um pouco de sal grosso e bastante azeite, amassa de novo e reserva;

corta as verduras e legumes em tiras e mais ou menos do mesmo tamanho, a pimenta corta as tiras mais finas (pra quem gosta de pimenta pode usar qualquer uma e cortar do tamanho q achar melhor com ou sem sementes) q puder e sem as sementes;

enquanto isso coloca uma frigideira grande pra esquentar bastante;

numa assadeira forra uma folha de papel aluminio dá uma melada com o azeite e coloca as verduras e legumes no centro, vem com outra folha de aluminio pora cima e vai juntando as estremidades das folhas (de cima e de baixo) amassando fazendo um travesseiro até sobrar um pequeno buraco por onde vc vai acrescentar  o vinho branco ou a mistura de sal, açucar e vinagre de arroz, sem esborrar, mas uma quantidade boa, fecha os papéis aluminios e coloca no forno préviamente quente;

pega a peça do filé e  com a mão passa a mistura das ervas e azeite em todo ele, não precisa furar a carne;

vê como está a frigidira e se já tiver pelando coloca o filé pra selar todos os lados dele até fazer uma casca quase tostada sem queimar, são todos os lados mesmo e somente pra selar por fora o meio da carne fica cru;

Depois disso pega uma faca bem amolada e fatia o filé da maneira mais fina q puder, não precisa ser fina como o carpaccio, mas fina;

e vai arrumando num prato nem muito razo nem muito fundo, tipo a assadeira;

Depois de fatiar toda a carne acrescenta o shoyu, até quase cobrir todas as fatias, não importa se tem várias camadas de fatias tem q cobrir com o shoyu;

Pega o travesseiro abre com cuidado pro vapor não te queimar  e com uma escumadeira pega as verduras e legumes sem o caldo e arruma por cima das fatias;

daí ta pronto;

Na última vez, Guto fez um arroz maluco e Maria fez um purê q ela bate na batedeira, q foram ótimos acompanhamentos mas isso fica a gosto do freguês (um arroz branco bem feito já dá a liga)…

Valeu, abraços, Berna