Archive for the ‘Receitas’ Category

h1

O molho do (meu) verão

setembro 8, 2011

Já chegou o verão e, lá em casa, vai bombar o molho de iogurte com pepino e gengibre da amada Tina, uma carioca/cearense/pernambucana arretada!

Recentemente, numa breve estada na cidade maravilhosa, não deu pra ninguém, pra patanisca do Pavão, pro bolinho de camarão do Bracarense ou pra empada do Belmonte, nem mesmo pro cabrito do Antiquarius, pois, do pé sujo ao refinado, quem reinou e marcou foi o molho de Tina, leve e refrescante e que combina com muita coisa, inclusive com o sanduíche de filé na madrugada carioca na Visconde de Pirajá, 487, 10 andar!

Lá no Rio, além do filé assaltado da geladeira, comi o molho com uns camarões deliciosos preparados também por Tina, refogados no vinho branco, um luxo! Aliás, preciso desta receita de camarão também!

Já de volta ao meu Recife, engrenando no verão e na dieta, eu e Tati compramos, especialmente para poder preparar e comer do molho, uns camarões grandões no Mercado de Boa Viagem e, como estou tentando passar fome, cortamos também umas cenouras em forma de palito, tipo courvet de restaurante de clube. Aliás, manter um pote cheio desses palitos de cenoura crua com água na geladeira é uma ótima ideia;  é, acabaram as madrugadas do filé…. agora é só cenoura!

Bem, o molho é super prático, dá para fazer, deixar na geladeira e, no passar da semana, incrementar a salada de cada dia, o peixe, o sanduba, a CENOURA e o que mais apetecer.

Os ingredientes do molho são os seguintes: 1 copo de iogurte natural desnatado (coloquei 1 e meio, para usar um pote que já estava aberto na geladeira); 1 cebola média ralada (acho melhor colocar meia); uma porção de gengibre fresco ralado (proporção de metade da cebola); 1 pepino japonês ralado; suco de 1 limão taiti pequeno; 2 colheres de sopa de azeite; 1 colher de sobremessa de mostarda c/ ervas; 1 colher de sopa de queijo parmesão ralado; 2 colheres de sopa creme de leite fresco (usei creme de leite light e sem ser fresco mesmo); 1/2 molho de cebolinha picada, com a parte branca; alho‑poró picado (coloquei um pedaço do talo do tamanho de um dedo indicador); 1 colher de sobremesa de açúcar (usei um pacotinhdo de adoçante em pó zerocal); 1 pitada de pimenta‑do‑reino moída na hora e sal a gosto.

Para preparar, rala a cebola, o gengibre e o pepino, tudo bem fininho e Tina diz para bater com a faca no gengibre de pois de ralado, que é para ele ficar bem miudinho. Daí, acrescenta o suco do limão, o iogurte, o azeite, a mostarda, o queijo, o creme de leite, a cebolinha e o alho‑poró picados, o açúcar, a pimenta e o sal, mistura bem e leva à geladeira.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O molho deve ser servido geladinho e Tina recomenda comê-lo com frutos‑do‑mar, saladas verdes, legumes crus ou cozidos, cenoura, chuchu (!!!), enfim, de um tudo!  Tina ainda me disse que dá para mudar um pouco e acrescentar pedacinhos de morango (isto dará vontade de tomar espumante, já vi tudo!). Na verdade, hoje de manhã, quando estava ensinando o molho à querida Meri, que trabalha na minha casa, pensei em várias substituições que podem ser testadas, como o tirar o parmesão e colocar cottage ou então acrescentar umas folhinhas de hortelã.

Bem, tem muito verão pela frente, não faltará tempo para repetições e inovações.

Bom verão,

Sandra

Anúncios
h1

Salada de pepino

março 5, 2009

Caros amigos blogueiros,

Ontem, aproveitando um pernil de carneiro delicioso que a minha mãe mandou para mim e também a atual tentativa, ainda meio inexitosa, de passar uma quaresma light, fiz uma salada que adoro, e costumo fazer sempre que preparo ovinos, mas que também é boa até sozinha. Como se diz por aí, é super refrescante e crocante!

Pode usar qualquer pepino, mas eu prefiro o japa, que tem menos sementes…

Para começar, descasco os pepinos, meio na grosseria, sempre deixando uns nacos verdes, sem tirar a casca totalmente, e corto em cubinhos. Coloco numa saladeira, junto com umas folhinhas de hortelã e, ontem, para inovar, joguei também alguns poucos cubos de queijo minas frescal. Outra vez, ao invés do queijo, coloquei  um pouquinho de nozes picadas, mas, normalmente, faço só com o pepino e a hortelã mesmo.

 

Na sequência, pego, dependendo da quantidade de pepino, um ou 2 potinhos de coalhada fresca. Ontem, usei 3 pepinos pequenos para 1 potinho de coalhada, daquelas que vende no supermercado. Neste ponto, aliás, recomendo a que não é adoçada;  existem sim 3 tipos: com açúcar, com adoçante e sem nada, que é a que uso.

Voltando ao molho, misturo 1 pote de coalhada com  meio de água mineral, tempero com sal e pimenta do reino moída na hora. Em seguida, num pilão, amasso 2 dentes de alho e várias folhas de hortelã, misturo na coalhada, e acrescento mais folhas de hortelã. O molho não fica verde, e sim branco, mas pode ser uma idéia amassar mais folhas e esverdear o molho, numa espécie de pesto light, só que de hortelã!

Sirvo já misturado com o molho…ou não, vareia! Uma dica final é fazer, já no prato, uma caminha com alface roxa, colocar a salada de pepino por cima e, no topo, o molho.

Bom apetite e saudações rubro-negras,

Sandra

h1

Linguiça (sem trema!) com hortelã

janeiro 13, 2009

img_5685(Ricardo Melo) 

 

Ainda lá em carneiros (sei, eu sei que este fim de ano já tá cansando, mas fazer o quê se foi tããããão bom?!), teve um dia que eu e jane fomos pra cozinha preparar um petisco para a galera que estava com cara de faminta na palhoçinha, tomando cerveja sem nada, só no estilo dieta liquida a la  Duina! Confesso que houve um erro de planejamento e, nesse dia, o petisco programado foi insuficiente!  Parece também que, além disto,  Lúcia, a super hiper cozinheira dos carneiros, precisou sair pra resolver alguma coisa em Tamandaré, e Graça, muito provavelmente, ainda estava nas faxinas!! Enfim, o certo é que, no final das contas, parece que tudo isso foi até bom! 

Na geladeira, tinha um pacotão de linguiças calabresas dando sopa. Eram daquelas mais finas, com uns 30cm de comprimento. Na hora, me veio a recordação de umas linguiças que comi no Cariri, na fazenda de Tio Fernando, no São João passado, e resolvi fazer algo parecido.

Numa frigideira, eu e jane colocamos bastante manteiga e um tantinho de azeite para esquentar. Cortamos as linguiças em rodelas pequenas, com, no máx, uns 2cm de espessura, e jogamos no quente pra fritar, com um pouco de pimenta do reino.

Do meio pro fim, vi uma cachaça aberta dando sopa (não sei se era Rainha ou Seleta) e resolvi flambar. A cozinha era pequena pra tanto fogo! Meu Deus, que calor! Cachaça quente da peste! Passado o quase incêndio, acrescentamos várias (muitas mesmo) folhinhas de hortelã grosseiramente picadas, mexemos mais um pouco,  amassando as folhas, tudo ainda no fogo aceso, até finalizar.

Ficou bem gostoso: a cachaça deu um leve adocicado e o gostinho da hortelã tava ótimo.  

Beijos

Sandra

ps. Agora, no fim deste post, confesso que fiquei na dúvida se, antes de colocar as linguiças, não douramos também um tanto de cebola picada…

h1

ROLAS

novembro 27, 2008

cabraEsta receita quem me passou já foi Tati e sei que quem passou para ela foi uma amiga nossa em comum, Leopoldina. Desde que aprendi, já fiz várias vezes, tanto a original, como outras versões, com recheios e coberturas diferentes e, ainda, como nesta última vez, com quase todos os ingredientes diferentes!Basicamente, trata-se de uma pastinha, um patë, só que com uma apresentação diferente e, ao menos o da receita original de Leopoldina, mais leve! Sempre faz a maior fita, além do mais importante que é ser uma delícia.

A receita supostamente tida como a original de Léa, originalidade esta que só pode ser confirmada pela própria,  leva, na base, quejos cottage, ricota e cream cheese misturados. Eu não sei se há uma orientação de medidas exatas de cada um destes e só sei que eu vou meio que de olho e no tato, misturando até chegar numa consistência mais ou menos homogênea e cremosa, sem ser muitoooo pastosa, molenga. Recaptulando, amasso a ricota com um garfo, acrescento o cotagge e cream cheese e misturo (um processador facilitará), temperando, normalmente, com sal, pimenta moida na hora e um tantinho de azeite. 

Paralelamente a isto e até antes mesmo, já preparo os ingredientes do recheio e da cobertura e os deixo prontos para colocar na mistura dos queijos. Na receita original, o recheio é de damasco picado e a cobertura da é um mix de pimentas rosa, branca, preta e verde, ou só algumas destas.

Daí, com a mistura de queijos já pronta e o misanplace do recheio e cobertura ao lado, abro um papel filme numa base lisa, como a de um balcão, e coloco um tanto do queijo, num formato de uma rola média (daí o nome!), acresento o  damasco picado, cubro com o tantinho mais do queijo e salpico as pimentas por cima. Na verdade, até antes mesmo de colocar o queijo inicial no papel filme, ponho antes, no filme plástico, um pouco das pimentas, fazendo uma reta, e, depois, a primeira parte do queijo já por cima destas primeiras pimentas salpicadas. Por fim, depois das 2 porções de queijo e do recheio e da salpicada final e generosa das pimentas, enrolo o filme, fechando bem a rolinha, enrolando as pontas do filme como se faz com o embrulho de um bombom.

Feito isto, coloco na geladeira para endurecer um pouco, o que leva umas 2hs, retirando na hora de servir, que pode ser até no dia seguinte apenas, sem esquecer de desempacotar a rola do filme plástico antes de levá-la à mesa (normalmente, a do centro!).

Deu para entender?!

Uma segunda versão de recheio que já fiz, ainda usando a base básica dos queijos, foi com salaminho picado, ao invés do damasco. Neste caso, coloquei menos pimenta na cobertura, já que o salame já tem naturalmente um leve ardor. Noutra vez, o recheio era de pedaços de queijo gorgonzola…

Recentemente, mais precisamente no último sábado, rolou um jantar aqui em casa com alguns dos comensais-blogueiros do site, e, nas entradinhas, fiz uma novíssima versão da rola! Rola nova! O jantar foi ótimo e eu, com o passar dos dias, pretendo postar também as receitas do prato pricipal e da sobremesa.

Estávamos eu, tiago, berna, tatty, tati, paulinha, ceo e paula, esta última, saliente-se, na qualidade de acompanhante de ceo, já que nunca deu as caras, até onde eu saiba, aqui no blog! :):)

(Como helena não vinha) Eu lembrei de uma pasta de quejo de cabra com uvas que eu havia visto uma vez, e resolvi fazer as rolas com cream cheese e queijo de cabra (ao invés de ricota e cottage). No liquidificador, misturei um pedaço de mais ou menos 150g de queijo de cabra (cujo tipo eu não lembro mas era o único que encontrei para vender no mercado) com 2 colheres bem cheias de cream cheese, além de azeite, sal e pimenta do reino, e ainda acrescentei um tantinho de leite ao final, porque tava duro e difícil demais de largar do fundo do liquidificador ( e eu não tenho um processador… 😦  )

Na seqüência, coloquei a mistura dos queijos no papel filme, acrescentei o recheio de uvas – partidas ao meio e sem sementes – e salpiquei parte da cobertura, que, nesta nova versão, era de pistache + cebolinho e salsinha (pouca) picados em pedacinhos mínimos. Sim, reservei uma boa parte da mistura da cobertura para o final. Depois de horas na geladeira e antes da galera chegar, desenrolei as rolas, salpiquei o restante da cobertura por cima e servi junto com umas torradinhas de pão italiano. Deram 3, e, primeiro, eu servi duas (as da foto), mas deixei uma outra especialmente para Berna, que só chegou um pouco depois, vindo de outros lugares, como ele falou no post anterior!

Esta nova versão ficou uma delícia… Como eu adoro queijo de cabra, acho até que superou a original. Só que como é mais forte, penso eu que deve enjoar mais rápido, diferentemente da original com ricota e cottage.

Mas já tô pensando no bis desta versão com queijo de cabra e também em acrescentar uvas-passas no recheio ou, ainda, ao invés das uvas verdes, uvas pretas (igualmente sem sementes), que acho podem ficar ainda mais bonitas para os olhos e igualmente ótimas para o paladar!

Como dá pra perceber, as rolas são super versáteis… (volúveis e voláteis, como diz uma amigona minha do peito). Dá pra soltar a imaginação!

Beijos

Sandra

h1

Comunidades do Orkut

abril 12, 2008

Hoje o Nacozinha visitou algumas comunidades do Orkut, a fim de conhecer quem mexe com o assunto.

Destacamos cinco comunidades. As três primeiras são de restaurantes do Recife, frequentados por muitos do nosso Blog. As outras duas são comunidades de troca de receitas e experiências gastrônomicas. Por sinal, a última listada é xará de nosso Blog, também, tem o nome Nacozinha.

Capitão Lima – http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=8824725

Raval Bistrot – http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=26604003

Central – http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=6530217

Eu faço Gostoso – Gastronomia – http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=2100074

Nacozinha – http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=51033

Espero que gostem!