Archive for the ‘Iguaria’ Category

h1

No spa do Cariri, tinha o Bolo de Ameixa de Lulu Japiassu…

agosto 25, 2011

Este slideshow necessita de JavaScript.

“Enfim, cada um o que quer aprova, o senhor sabe: pão ou pães, é questão de opiniães… O sertão está em toda parte.”

No Cariri, ao contrário do que se possa imaginar, não falta nada, fartura tem de montão! E foi atrás mesmo dessa fartura e do amor intenso da família Porto que, no último mês de julho, uma ruma de gente partiu para uma semana de risadas, banho no rio Taperoá, jogatina, sanfona e muita, muita comida mesmo.

Mataram um carneiro, também abateram não sei quantas codornas ( iguaria preferida da minha amiga Valentina), fizemos geleia e incontáveis drinks com as romãs do pomar “Romangela”, conhecido do Km zero da Praça do Meio do Mundo até Flores, já em Pernambuco. Demos cabo de quase todo o estoque do queijo coalho feito lá mesmo na Fazenda Poço de Pedras, por Gordo e Isabel, e tinha cuscuz no pano, tinha coalhada, tinha até uma porção de frutas, mas tinha também muita pizza, de massa finíssima e crocante, absolutamente inacreditável, feita no forno do nosso Excelente Nandinho Porto…

Além disso tudo (é, não acaba nunca), tinha o incrível e (ainda) secreto molho de tomate de Lourdes, o pote de salgadinho de queijo importado do Recife, levado por Valentina e cobiçado por todos e, no dia do aniversário da nossa maravilhosa e deslumbrante Tia Angela, teve o bolo de ameixa de Lulu Japiassu Trevas, que saiu quentinho do forno e arrebatou adultos e crianças.

Ao contrário da receita do molho de tomate, que, tenho fé (sou uma sertaneja), ainda vou conseguir, a receita do bolo de ameixa foi passada por Lulu e já anda fazendo sucesso pelas bandas de cá, de Setúbal às Graças.

A receita é simples, Lulu fez com uma mão nas costas e outra no cigarro! Vamos a ela:

Ingredientes:

200g de manteiga,

3 ovos,

2 xícaras de açúcar,

2 xícaras de farinha de trigo, e

1 lata pequena de ameixa em calda.

Mode de fazer:

Tira os caroços das ameixas e passa elas no liquidificador. Bate a manteiga com o açúcar, acrescenta os ovos inteiros e segue batendo até que fique fofinho. Em seguida, coloca a ameixa e a farinha de trigo e mistura delicadamente. Coloca numa assadeira untada e leva ao forno médio. Quando a faca espetada no centro do bolo sair limpinha, ele está pronto!

Comemos quente mesmo e frio também, junto com tantas outras coisas e Daniela ainda se balançou muito na rede.

Viva o Cariri!

Viva o Sertão!

Sandra

(Fotos de Paula Magalhães).

h1

Miolos de Ernesto, o Carneiro.

maio 10, 2009

E Ernesto, coitado, morreu pra nos fazer sorrir. ernesto

                

Ernesto era o carneiro de Sandra, morava lá na Catingueira, vidinha mansa de bicho bem cuidado, nem parecia que sua terra era árida. Mas Ernesto nem teve tempo pra pensar nisso. Nem em mais nada. Quando viu, já era, tinha ido pro sacrifício.

De Ernesto aproveitamos tudo! E sendo Ernesto o seu nome, não poderíamos deixar de lhe aproveitar o cérebro.

Ernesto tinha dois miolos, talvez esse o seu segredo. Já Ricardo, nenhum cérebro, talvez algum segredo. Adriana quem pode nos dizer.

O segredo dos miolos de Ernesto, conto agora, como me contou Simone, a herdeira do Capitão Crisanto:

 ernesto

“Miolos de cordeiro

p/ 6 pessoas:

 

3 pimentões vermelhos

3 pimentões verdes

500 g de tomate

250 g de cebolas

3 dentes de alho

1 colher de sopa de cominho

1 colher de café de cúrcuma

2 pitadas generosas  de pimenta do reino

suco de 1 limão

½ maço de coentro fresco

½ copo de azeite para o cozimento

 

 

Preparar os pimentões segundo o método tradicional: 20 minutos no forno quente; depois, deixá-los esfriar enrolados num papel. Assim é fácil descascá-los e retirar as sementes.

Cortá-los em lâminas.

Limpar os tomates e cortá-los em cubos, sem casca.

Refogar rapidamente no azeite os pimentões e as cebolas.

Depois, juntar os tres ingredientes.

Acrescentar as especiarias, o suco de limão, o alho picado finamente e o coentro cortado com tesoura.

Cozinhar em fogo lento, com a panela tampada pela metade, depois de ter tido o cuidado de acrescentar meio copo de água.

Acrescentar, então, os miolos previamente enxaguados num jato de água fria para retirar as membranas e vasos sanguíneos.

Cozinha em fogo lento entre 10 e 15 minutos, de forma que os miolos cozam homogeneamente.”

 

Essa quantidade de pimentão foi muita pra apenas os dois miolos de Ernesto. Poderiam ter sido bem uns seis miolos, um pra cada uma das seis pessoas da receita, mas Ernesto só tinha dois. E eu, depois de um dia inteiro saboreando Ernesto, assim como Ricardo, tb fiquei sem nenhum!