Archive for janeiro \24\UTC 2008

h1

RISOTO DE BACALHAU

janeiro 24, 2008

Esta receita é delis e super fácil… É básica de risoto de bacalhau e acho que é de Andréa Galiza, mas não tenho certeza, só sei que já fizemos algumas vezes, até com bacalhau do tipo Saithe mesmo e fica sempre bom. Logicamente que, qto melhor o bacalhau, melhor sairá o prato, mas talvez usar uma linda posta alta de bacalhau do porto num risoto seja uma loucura! Ou não!?! Aliás, Ave Maria, eu amo bacalhau, de todo jeito, de bolinho (seja o da portuguesa de garanhuns, o do bragantino, qualquer um e o melhor de todos, o do pavão azul, em copacabana) à posta alta, passando por este risoto!


Por falar nisto, eu lembro de uma discussão sobre a origem e, finalmente, sobre o que danado é o bacalhau, uma época dessas aí… Não sei mais quem estava, só lembro mesmo de Adriana e Ricardo. Seria um peixe específico, alguns peixes salgados, etc? Não lembro a opinião de todos e a conclusão (?), mas, agora, pesquisando, vi que existe sim O peixe mor (transformado em) BACALHAU, cujo nome científico é (Cod) Gadus Morhua, que habita ou habitava  😦  o Atlântico Norte…

 tipo_cod.jpg

cod.jpg

Mas quatro outros peixes também são transformados em “bacalhau”:

saithe_t.jpg

tusk_t.jpg

macro_t.jpg

ling_t.jpg

Bem, para a receita, o arroz é arbóreo e, em média, eu conto 1 kg para umas 9 pessoas. Para cada 1kg de arroz, uns 600 g de bacalhau. Para tirar o sal do bicho, deixa de molho em água fria, põe na geladeira por umas 24 horas e troca a água umas 4 vezes, no mínimo.


Fora o bacalhau e o arroz, a receita também leva: 2 cebolas médias bem picadas; 1/3 de xícara de azeite; ¼ de xícara de suco de limão; ¼ de xícara de salsinha picada; 1/ ½ litro de leite; e sal.


Para fazer, lava o baca em água corrente, escorre, tira a pele e espinhas e corta o em lascas de uns 5 cm. Daí, frita a cebola no azeite, em fogo médio até murchar. Junta o arroz e refoga por 1 minuto. Acrescenta o bacalhau, o suco de limão, a salsinha, a metade do leite e mistura bemmmm. Cozinha, mexendo de vez em quando, até o arroz absorver todo o líquido. Adicione o leite restante e deixa no fogo até o arroz ficar macio, mas al dente. Se precisar, adicione mais leite, pois no final do cozimento o risoto deve ficar úmido. Verifique o sal. Misture e sirva bem quente, fumegando!


BOM APETITE!

Sandra

Anúncios
h1

POLVO AO VINAGRETE DE LÚCIA

janeiro 9, 2008

igja-de-carneiros.jpg

(Foto do blog http://viajenaviagem.wordpress.com/, de Ricardo Freire). 

Rapaz, este blog tá devagar quase parando, hein?!?

Tá bom de 2008 começar por aqui!

Por isto, vou postar uma receita que foi o sucesso do sucesso na temporada de fim de ano lá na praia dos Carneiros. Na verdade, a seqüência de quitutes era de ver cores, plânctons e estrelas! Desde as mariscadas de Ricardo, Ditinh e Nanda, passando pela Carne de Sol de Jacinto, feita por Tati, até todo o resto feito por Lúcia e pelos demais que se aventuraram na “imensa” cozinha de Zu!

Que saudade!

A receita em questão – POLVO AO VINAGRETE – é de Lúcia, moradora do Sítio São Benedito, lá da beira-mar dos Carneiros, e que, neste final de ano, arrasou muito nacozinha! O POLVO AO VINAGRETE foi uma unanimidade! Não tentei fazer ainda, mas, pelo que Lúcia fala, não parece ser complicado… Será?! Ou será que tem que ser nascida e criada ali na beira do mar para se garantir como ela?!

Bem, ela me contou o seguinte:

Primeiro, tem que limpar o polvo. Para tanto, ela me explicou que abre o bicho e tira uns pontos pretos que ficam entre a cabeça e os tentáculos.

Depois, coloca ele INTEIRO no fogo, com uma cebola inteira e com água, quase cobrindo o danado, e deixa cozinhar por uns 40 minutos em fogo brando.

Em seguida, é só cortá-lo em cubinhos, pedacinhos pequenos como os de um molho vinagrete de churrasco, acrescentar o vinagrete em si (cebola, cebolinho, coentro, tomate, vinagre, azeite e sal) e priu, tá pronto o polvo ao vinagrete mais delicioso (o dela) do litoral tupiniquim!

Puro, com pão francês ou mesmo com vitarella (kkkk) é simplesmente “dos deuses”!

Quem testar primeiro, bloga aí o comentário! Beijos, Sandra